quarta-feira, 16 de janeiro de 2019

Reflexão: Sufocado pela massa

16.1.19 0 Comments


Em um mundo de ilusões, fica difícil ver o que é real.

E quantas veze nos podamos de coisas realmente boas por medo dos moldes de julgamento da sociedade?

Quantas vezes ficamos presos a opinião de outrem e esquecemos de ouvir a opinião de quem realmente importa?

Quantas vezes sentimos os nossos pés serem puxados pela força descomunal da grande massa de gente que determina o que devemos ser ou fazer?

Nossa mente está cansada e esgotada de tanto se debater entre ideias próprias e ideais impostas.

Afinal, por que ser igual a todos deveria ser tão importante? Se todos fossem diferentes não seriam todos iguais? Então por que esta pé-fabricação? Por que sempre todos quando na verdade eu sou um?

Este mundo é apenas dinheiro, comércio injusto e sujo.
E as pessoas? São esmagadas para caber em um número de jeans abaixo do seu, sufocando sua criatividade em um bloco vazio de existência deprimente e controlada. 

Finalmente quando derrotadas se deixam morrer para depois ressurgir atras de outras mentes com o desejo de matar e comer.



By Danielle Literatura Literata


terça-feira, 8 de janeiro de 2019

Poema: A inércia do medo

8.1.19 0 Comments


Poema: A inércia do medo


O medo das coisas que vivi sem ter vivido.
O medo que faz o meu sonho ser perdido.
O medo sem motivo me fazendo tropeçar.
O medo de falhar falhando por não tentar.
O medo de pensar e a verdade encontrar.
O medo de magoar me impedindo de amar.
O medo é um sentimento? Talvez, por certo um tormento.

Ser mais forte do que o medo é coisa para poucos
e os que se atrevem a isso são vistos como loucos.




By Danielle Literatura Literata

quarta-feira, 26 de dezembro de 2018

Poema: Eis um gramado forrado

26.12.18 0 Comments

Eis um gramado forrado e eis que abaixo deste gramado forrado está o chão de terra parado. 

Eis o chão de terra parado e eis que do chão de terra parado sobe um tronco erguido. 

Eis um tronco erguido e eis que do tronco erguido surgem galhos estendidos. 

Eis os galhos estendidos e eis que entre os galhos estendidos está um ninho montado. 

Eis um ninho montado e eis que no ninho montado os filhotes piam para sobreviver. 

Eis os filhotes que piam para sobreviver e eis que os filhotes que piam para sobreviver estão a crescer. 

Eis os filhotes que estão a crescer e eis que os filhotes que estão a crescer já crescidos sobrevoam o gramado forrado, deixam cair sementes que se enfiam no chão parado para subir como tronco erguido fazendo surgir galhos estendidos onde estará um ninho montado no qual filhotes que piam para sobreviver irão crescer e o ciclo se refazer.


By Danielle
Literatura Literata

terça-feira, 18 de dezembro de 2018

Resenha sobre o Livro O Adversário Secreto (The Secret Adversary) de Agatha Christie

18.12.18 0 Comments


Resenha sobre o Livro O Adversário Secreto
(The Secret Adversary) de Agatha Christie


O que achei:

Uma história leve, com pontos de comédia, mistérios é claro e ação. Gostei bastante da narrativa e dos personagens. Como sempre, muito bem escrito e neste em especial, há uma grande facilidade em ler por ser uma história bem fluida com um andar rápido.

Resumo sobre a história:

Tuppence é uma jovem muito esperta e ativa, estava além de seu tempo, aquela mulher que tem presença mesmo sem a intenção, mas Tuppence tem a intenção. Ideias e planos fervilham em sua cabeça nos quais ela se joga sem pensar duas vezes.

Tommy é amigo de Tuppence, ao contrário dela é bem discreto, analítico e receoso, porém isso em nada diminui sua capacidade incrível de inteligência e observação na qual facilita os seus planos. Totalmente apaixonado por Tuppence ocupa aquele lugarzinho triste da friendzone.

Os dois tem algo bem em comum, a idade sem ter uma profissão memorável, sempre com dinheiro curto e se virando como podem. Tuppence tem a ideia de trabalharem juntos como detetives amadores para tentar ganhar algum, Tommy não é muito a favor da ideia, mas sabe como são essas garotas geniosas com aquele olhar brilhante que convencem qualquer um. Os dois nem imaginam que irão se envolver com caça das grandes e que suas vidas vão correr perigo no meio desta brincadeira. Uma hora você acha que o vilão é A, outra hora que é B, acho que essa é a ideia de um romance policial, não é mesmo? Então não perca tempo e dê uma lida nesse romance policial envolvente e leve.

Ajuda visual para imaginar Tuppence e Tommy



Danielle Literatura Literata


sábado, 8 de dezembro de 2018

Conto: Verdades como vaga-lumes

8.12.18 0 Comments


Conto: Verdades como vaga-lumes


Um jovem estava em uma floresta escura e fria sozinho, ele precisava chegar em casa, mas não sabia o rumo a seguir. Então ele viu uma luz fraca de longe e se lembrou de uma frase que lhe disseram um dia: “Sempre siga a luz”, assim começou a correr ao máximo de suas forças quando de repente sentiu o chão debaixo dos seus pés desaparecer. Aquela luz que o guiara era um vaga-lume que estava sobrevoando o abismo.

Moral da história: Nem toda a luz te leva para o local correto, as vezes a verdade de outra pessoa não pode guiar a sua verdade e as vezes a luz em sua frente não vem de uma lâmpada, mas sim de uma vaga-lume sem rumo.



by Danielle Literatura Literata